Se quiseres seguir o Bisonte e não fores da PJ, bota aqui o teu e-mail e clica em Submit

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

36 Outonos...


36 Outonos…

Pois é, a brincar a brincar, já lá vão 36 aninhos. E nestes 36 aninhos, muita coisa aconteceu.

A vida é feita de altos e baixos, mas o truque para a felicidade, a meu ver, está na forma como subimos e descemos a montanha. A nossa atitude perante as adversidades, frustrações, conquistas e superações, ditará, não só a forma como nos posicionamos neste Mundo, mas também como os outros nos vêem e sentem. Já vi muita vida facilitada, ser complicada aos olhos de quem a vive, assim como já vi muita vida difícil, facilitada por quem a vive. Não vou mentir, não é fácil oferecer sempre um sorriso, mas continuo a achar que sai sempre mais caro, comprar uma chateação.

O que levamos desta vida, são as marcas que as pessoas deixam em nós, e as que nelas deixamos. Eu não sou perfeito, certamente, e já terei deixado marcas de que não me orgulho e não são do meu agrado. No entanto, acreditem, a minha intenção sempre foi - e continuará a ser – a de deixar a melhor marca que puder, sendo sempre fiel às minhas crenças e princípios.

As relações humanas gozam, já de si, duma complexidade tremenda, mas por vezes, quem se relaciona com o outro, também não facilita.

A vida é para ser vivida com emoção. Com mais ou menos introversão, mas com alma. Não devemos apenas “passar pela vida”. E é nesse sentido que vos escrevo estas linhas, pois estou grato por ter nascido, estou grato por poder arriscar, estou grato por poder ouvir um não, quando na verdade queria ouvir um sim… a iniciativa é nossa, todos os dias, em todas as nossas acções. O nosso dia de aniversário deve ser um dia de celebração, pois lembra-nos que viemos ao Mundo sem nada, mas que foram as escolhas que fizemos, que nos trouxeram aqui, onde estamos hoje. Sim, há muito que não depende de nós. Sim, há muito que já está escrito… mas nós somos os verdadeiros responsáveis pelo nosso caminho, pelas nossas decisões.

E é nesse sentido de responsabilização pelas nossas acções, que eu vos digo:

- Arrisquem, se sentirem que devem arriscar.
- Não tenham medo de exprimir os vossos sentimentos, não há que ter vergonha daquilo que vos define.
- Peçam desculpa, se fizeram algo que magoou alguém.
- Acerquem-se de quem vos quer bem e faz questão de poder contar com a vossa presença.
- Tratem os outros com o mesmo respeito com que gostariam de ser tratados.
- Não percam tempo com situações e/ou relações que não vos servem, ou que já deram o que tinham a dar.
- Não perpetuem ódios, nem proliferem aquilo que não interessa ser proliferado.
- Não guardem os “ses” na cabeça, pois não há nada pior que cenários hipotéticos, por resolver, a ocupar a nossa cabeça. Todo o “se” tem de ter uma conclusão. IF => THEN ;)

Eu sou responsável pelo caminho que tracei e me levou ao sítio onde estou… e sou verdadeiramente grato por isso. E se há algo de que me orgulho, foi de nunca ter ficado com “ses” a poluírem-me a cabeça. Mesmo quando sabia que havia uma grande probabilidade de sair magoado de alguma situação, sempre dei o corpo às balas… pelo menos, naquilo que dependia de mim, a dúvida dissipava-se. Pior que um na dúvida, são dois ou três perdidos.

Todos nós passamos por momentos de sofrimento, mas não o encararmos, é uma perigosa falácia. Porque aí, por muito que tentemos entorpecê-lo, ele continua presente… e a ganhar contornos perigosos, pois pode facilmente entrar no domínio do subconsciente. E quando assim é, a maior parte das vezes, vamos começar a deparar-nos com comportamentos e reacções “inexplicáveis” da nossa parte.

Por isso, o meu conselho é: Tomem as rédeas e vivam, mas vivam de verdade… e a única maneira de o fazerem, é sendo verdadeiros para convosco. Não tenham medo de se magoar. Se tal acontecer, é porque faz parte do vosso caminho e desenvolvimento.

Eu permanecerei igual a mim mesmo, tentando deixar a minha marca em cada interacção com que me deparo, e continuando a acreditar que a qualidade das interacções não deve ser medida exclusivamente em unidades de tempo, pois tão ou mais importante, é a intensidade com que é vivida.

Obrigado a todos vocês, pelo carinho com que me presentearam no meu dia de aniversário. Acreditem que ajudaram, em conjunto com aqueles que nunca me falham, a torná-lo um dia bem cheio… cheio de pequenas grandes coisas que eu valorizo. Não tenham dúvidas, o conforto que vocês me transmitem, faz com que seja mais fácil levar a vida com a leveza com que considero que esta deve ser levada.

Muito obrigado.

Abraços e beijinhos do
Tiago aka Citro aka Bisonte Lilás

Sem comentários:

Enviar um comentário

O teu comentário é o feedback mais fidedigno que posso ter, como tal, não deixes de o fazer, pois é realmente importante para mim. Obrigado.