Se quiseres seguir o Bisonte e não fores da PJ, bota aqui o teu e-mail e clica em Submit

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

A crise, os heróis e os famosos…



Isto não está fácil para ninguém, os heróis e os famosos não são excepção. Dada a inexistência de notícias sobre este tema, o Bisonte fez-se à estrada, para colher testemunhos em primeira mão.

Curiosamente, e à semelhança do que acontece um pouco com a restante sociedade, a crise acaba por ser um pau de dois bicos, pois apesar de haver vários negócios e empresas a fechar, novas oportunidades de negócio vão surgindo para os mais criativos e audazes.

Veja-se o exemplo de Super-homem, que decidiu enfrentar os seus medos e, com isso, abrir um negócio de cristais e pedras terapêuticas. O negócio vai de vento em popa e, pasmem-se, a venda do cristal Kryptonite é mesmo a sua maior fonte de receitas!

Mas nem tudo são rosas, o Hulk viu-se forçado a encerrar o seu Salão de Yoga, pois sempre que chegava uma conta em atraso para pagar, este perdia a calma e, com isso, a roupa. Enfrenta, por isso, uma acusação de atentado ao pudor, movida por algumas das suas alunas. Já outras só querem o seu número de telemóvel para marcar aulas particulares. O Futuro de Hulk é incerto, e poderá mesmo passar por uma contradição, que é a sua ingressão na Greenpeace.

Wolverine e Eduardo Mãos-de-Tesoura tiveram de rever alguns preços, mas a sua barbearia “Tesouras com garra” continua a ser uma referência e, segundo os indicadores, não corre o risco de fechar. Quando entrei lá de surpresa para me tosquiar, tocava o “First cut is the deepest”, do Rod Stewart. O Wolverine fez uma cara de poucos amigos e disse-me logo: Sem marcação? Nem pensar, nem que fosses o cão azul. Fiquei então um pouco à conversa com o Eduardo, que me confidenciou que, caso corra tudo como estão à espera, dentro em breve vão poder contratar o Freddy Krueger, que está desempregado há mais de 6 meses, aproveitando assim o apoio do estado aos desempregados de longa duração.

Numa das passagens pelos centros de emprego, encontrámos Bob o Construtor, na fila, que culpa a especulação no sector imobiliário pela sua actual situação. E por falar em Bob, Bob Esponja decidiu fazer jus ao nome e passa agora o dia embriagado, deambulando de tasca em tasca, queixando-se do seu caracol de estimação, que mia como um gato. Quando lhe perguntei se ele já tinha equacionado a possibilidade de trabalhar na área da limpeza, aproveitando assim os seus atributos físicos, ele respondeu-me com uma pergunta: Já viste algum tubarão-martelo carpinteiro? Paguei-lhe mais um shot e fui andando.

Fui então visitar Thor, que como ficou retido no planeta Terra, precisou de arranjar um biscate para ganhar algum. Está a ganhar 4 euros à hora a trabalhar como torneiro, numa oficina em Fernão Ferro. Antes deste trabalho, teve duas passagens infrutíferas por carpintarias em Paços de Ferreira, onde foi despedido por justa causa. Não fora o seguro de responsabilidade civil, seriam anos-luz até conseguir pagar os estragos. Assim que lá cheguei, Thor estava visivelmente contente e cantava o “Divine Hammer”, dos The Breeders. Quando o questionei sobre a crise e seus efeitos, ele disse-me que está na Terra há pouco tempo e que ainda não se apercebeu de nada, mas que também por ele, desde que o deixem andar à martelada, é um homem feliz. Disse-lhe que ia abrir uma vaga para manutenção no Parlamento, e saí de fininho.

Super Mario limpou o último cano e entregou os papéis para a pré-reforma. Confidenciou-me que estava cansado de beber Forza ao pequeno-almoço, de pisar tartarugas e mamar cogumelos mágicos. Isto enquanto jurava a pés juntos que via um elefante amarelo ao meu lado, a tocar o sino por 5 cêntimos. Enfim, estava claramente a delirar, nem os padres tocam o sino por tão pouco.

Pouco depois encontrei MacGyer, já avô, numa aldeia do interior. O seu negócio prospera e é dos que mais lucro dá, devido à ausência de custos fixos, pois tudo o que exporta, inclusive para a NASA, é feito usando apenas um canivete suíço e fita isoladora. Nos 15 minutos que estive à conversa com ele, desarmou 3 ogivas nucleares, descobriu a cura para o cancro e partilhou comigo, dividindo ao meio, com precisão milimétrica, um pão com chouriço e plutónio.

Chegado à FNAC de Freixo de Espada à Cinta, encontrei O Pequeno Saul e o Quim Barreiros no lançamento do seu livro de culinária “Quero cheirar o teu alho, Maria…”. Tem tudo para ser um best-seller nas cozinhas portuguesas, aliando a culinária à sensualidade. Pedi-lhes para definirem o livro numa só frase, para os leitores saberem aquilo com que podem contar. “É como se fossem as 50 sombras de Grey, mas só na cozinha.”. Bem, tendo em conta este cenário e as suas letras de duplo sentido, não só me parou imediatamente a digestão, como estou seguro de que não mais vou conseguir olhar para uma bancada de cozinha com os mesmos olhos.

Foi então que vi na rua um pastor alemão com um ar abatido, com aquilo que parecia ser um distintivo tatuado. Rex, és tu, Rex?! Era mesmo o Rex, que me contou a sua triste história. Depois de não renovarem a série televisiva, viu-se forçado a entrar na brigada canina de narcóticos, para tentar manter algum do estilo de vida a que a fama o tinha habituado. Infelizmente, por força das circunstâncias, ficou viciado em heroína e já terá sido forçado, por conta do dinheiro que deve aos traficantes, a fazer de correio de droga, dada a facilidade e conhecimentos que tem nas alfândegas dos aeroportos.

Já Batman, despojado da fortuna da família Wayne, teve de procurar alternativas de riqueza. Foi então que decidiu aproveitar todo o excremento de morcego existente na batcaverna para desenvolver um produto inovador. Chamou-lhe “Batestrume”. Batestrume é um verdadeiro 2 em 1, funciona como um creme facial, apresentando resultados superiores aos obtidos pelos melhores cremes actualmente no mercado, e pode também ser utilizado como fertilizante industrial, novamente, com resultados garantidos. Quando algumas pessoas, enojadas, questionaram a razão de Batman ter escolhido excremento de morcego para um creme facial, este respondeu-lhes apenas o seguinte: Têm sempre a baba de caracol.

E o Bisonte despede-se assim, com este pequeno insight a que ainda não tínhamos tido acesso, espero que tenham gostado.

Abreijos do Bisonte Lilás.